Bolsonaro diz que vai fiscalizar prova antes de realização do Enem do próximo ano

 O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta sexta-feira que questões que envolvem minorias não serão mais abordados nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir do próximo ano, quando ele já estará à frente do Planalto. 
Bolsonaro afirmou que na próxima semana deve anunciar os nomes dos ministros do Meio Ambiente, Relações Exteriores e Saúde. Além desses, quem vai ocupar a pasta da Educação também deve ser revelado. 
 Ao abordar a intenção de revelar mais sobre os nomes para os ministérios acabou tratando do tema. O ministério, segundo ele, é “complicado” e exige alguém mais alinhado às propostas e pautas conservadores do governo.
 “Pelo amor de Deus. Esse tema com a linguagem particular daquelas pessoas. O que nós temos a ver com isso. A gente vai ver a tradução daquelas palavras é um absurdo. Vão obrigar a molecada a se interessar por isso. Para o Enem do ano que vem, por ter certeza, não vai ter questão dessa forma no ano que vem. Nós vamos tomar conhecimento da prova antes. Não vai ter isso daí”, afirmou, ao fazer uma transmissão ao vivo no começo da noite, via Facebook.
 Ainda de acordo com ele, a prova usada pela maioria das universidades públicas e particulares para que os estudantes ingressem nos cursos terá questões de geografia e história.
 No entendimento de Bolsonaro, ao tratar de temas muito específicos de algumas minorias, a prova acaba estimulando “briga entre pessoas que pensam diferente e tem opções diferentes”. “Nós queremos que a molecada aprende algo que no futuro lhe dê liberdade, que ele possam ganhar o seu pão com seu trabalho”, afirmou.
 Bolsonaro analisou que a educação deve ser apenas voltada ao aprendizado de conteúdos que sejam diretamente ligados à possibilidade de utilização em profissões e que, ao tratar de temas como “ideologia de gênero”, o ambiente escolar acaba se afastando se sua real prioridade. “Por isso nos precisamos de um bom ministro da Educação, com autoridade que entende que nós somos um país conservador”, declarou.
 No último fim de semana, foram realizadas provas do Enem e uma das questões causou recebeu críticas que consideraram o conteúdo inadequado. A questão 37 do caderno de Linguagens, abordava o socioleto – uma variante da língua falada por um grupo social – empregado por travestis e homossexuais conhecido por pajubá, considerado elemento do patrimônio linguístico.
Universidades
 O presidente eleito ainda fez críticas ao ambiente universitário que, na opinião dele, sofre de degradação comportamental. Para o presidente eleito, muitas não valem o valor destinado para se manterem. 
 “As universidades, pelo amor de Deus, boa parte delas é dinheiro jogado fora. Tá lá o centro acadêmico é tanta bobagem que a gente vê”, afirmou. Na sequência, ele direcionou críticas à Universidade de Brasília, que seria ponto de oposição e avessa às mudanças que ele pretende implementar. 
 “Vídeos mostram que tem maconha, camisinhas no chão, cachaça na geladeira, tudo pichado, parecendo ninho de rato. Mudar isso é difícil. Vão querer parar as universidades, vão me chamar de homofóbico, de fascista, ditador. Mas a gente vai tentar mudar isso aí”, disparou.
Ministérios
 Na fala aos seguidores, Bolsonaro também tratou de outros temas como economia e meio ambiente, além de revelar critérios sobre a escolha de alguns ministros. O presidente eleito disse que, assim como prometeu na campanha à Presidência, caberá aos setores produtivos a escolha dos ministros para as áreas, caso da Agricultura.

Nenhum comentário

Football