Defesa tenta soltura de Valdevam Noventa

 A defesa do deputado federal eleito José Valdevam de Jesus Santos (PSC), que está preso desde a sexta-feira (7) por força de uma preventiva decretada pela justiça, impetrou na manhã hoje (10) um pedido de habeas corpus no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Sergipe. A informação é que a prisão teve como base o crime previsto no artigo 350, do Código Eleitoral.
 O advogado Evaldo Campos, que integra a defesa de Valdevam, explicou que o artigo 350 prevê uma pena superior a cinco anos quando se trata de um falso que atinja um documento público. Mas no caso do documento particular a pena chega a três anos. “Estamos examinando recibo de prestação de contas, que é um ato de responsabilidade do partido ou candidato, por isso particular”, diz o advogado ao entender que nesse caso não cabe a prisão por ter pena inferior a quatro anos.
 “Esse é o argumento de abertura, mas tem outros. Era necessária a prisão? Ele tem direito a responder em liberdade? Acreditamos que sim respeitando as posições contrárias. Nós só discutimos isso. Cabe ou não cabe a medida cautelatória que foi adotada, essa é a discussão”, ressaltou Evaldo Campos, acrescentando que a sua atuação nesse caso se restringe ao habeas corpus.
 Valdevam Noventa vinha sendo investigado pela Polícia Federal e acabou preso no desdobramento da operação Extraneus, que apura supostas declarações de doações falsas na prestação de contas da campanha eleitoral. Ele foi preso em uma churrascaria na Orla de Atalaia, em Aracaju, e desde sábado está recolhido na Cadeia Pública Tabelião Filadelfo Luiz da Costa, em Estância.
 De acordo com a PF, o deputado eleito teria utilizado pessoas como “laranjas” para simular várias doações para sua campanha. No andamento da investigação, os agentes federais tiveram acesso a diálogos entre Valdevam e o assessor Evilásio Ribeiro, que também se encontra preso, nos quais indicam ações realizadas para orientar os supostos doadores quando fossem convocados a depor.
 Apesar de preso, Valdevam Noventa deve ser diplomado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) no próximo dia 17. A informação da Assessoria do TRE é que por não haver decisão relacionada a não diplomação, o deputado eleito poderá enviar um representante, caso ainda permaneça preso no dia da solenidade.

Da redação, AJN1

Nenhum comentário

Football