Começou a valer nesta sexta-feira (31), em todo o território nacional, o uso obrigatório do novo modelo de placa veicular, padrão do Mercosul, conforme resolução do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).
 A nova placa será obrigatória apenas nos casos de primeiro emplacamento de veículos novos, quando houver transferência de município, mudança de categoria e em razão de danos, extravio ou furto e quando houver necessidade de instalação da segunda placa traseira. Nas outras situações, a troca não é obrigatória. Com isso, os carros com a atual placa cinza podem continuar assim até o fim da vida útil do veículo.
 Em Sergipe, no entanto, a mudança só deve ocorrer em fevereiro, segundo o Departamento Estadual de Trânsito (Detran). O órgão solicitou prorrogação do prazo ao Denatran e ao Contran, que determinaram que o novo modelo passe a ser adotado até o dia 17 de fevereiro. 
 O órgão ainda não tem um levantamento do número de carros no estado que já adotaram o novo modelo de placa e qual procedimento e custo para fazer essa alteração, já que nenhuma placa nova ainda está saindo com o padrão Mercosul. 
 A placa foi estipulada, após ser adiada por seis vezes, conforme Resolução nº 780/2019 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), de julho do ano passado, que determina a adoção do novo modelo de placas de identificação veicular (PIV) a partir de 31 de janeiro de 2020. Segundo o Ministério da Infraestrutura, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) que não aderir a esse padrão não conseguirá emplacar novos veículos.
 O novo modelo apresenta o padrão com quatro letras e três números, o inverso do modelo atualmente adotado no país, com três letras e quatro números; e permite mais de 450 milhões de combinações. Também muda a cor de fundo, que passará a ser totalmente branca. A mudança vai ocorrer na cor da fonte para diferenciar o tipo de veículo: preta para carros de passeio, vermelha para os comerciais, azul para os oficiais, verde para veículos em teste, dourado para os automóveis diplomáticos e prata para veículos de colecionadores.
 Elas já são usadas na Argentina, no Uruguai e no Paraguai. Dos 26 estados brasileiros, já aderiram ao modelo Mercosul o Acre; o Amazonas; a Bahia; o Espírito Santo; a Paraíba; o Paraná; o Piauí; o Rio de Janeiro; Rondônia; o Rio Grande do Norte e o Rio Grande do Sul. A expectativa é que, até o fim de 2023, o Brasil já esteja com quase toda sua frota circulando com a nova placa.

*Com informações da Agência Brasil

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem
Portal Sergipano