Associações de costureiras de sete comunidades do interior do estado estão produzindo máscaras de tecido para proteção respiratória e prevenção ao coronavírus. Além de atender à demanda de quem precisa das máscaras, o novo negócio gera renda para as costureiras locais. Estas associações representam 41% dos Planos de Investimentos Produtivos voltados para atividades de corte e costura e artesanato do Projeto Dom Távora, realizado pelo Governo de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), com apoio financeiro do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA). 
 As máscaras são confeccionadas dentro das especificações recomendadas pelo Ministério da Saúde e incentivam o cumprimento do último decreto estadual, 40.588/2020, que estabelece o uso obrigatório de máscaras para toda a população. O secretário da Agricultura, André Bomfim, destaca que o propósito é estimular a geração de renda nas comunidades durante a pandemia. “São grupos de artesãs e costureiras que produzem roupas, lençóis, toalhas, jogos de cozinha e outros produtos facilmente comercializados para uso doméstico. Elas dispõem de experiência e capacidade para produzir de modo artesanal as máscaras de proteção, que tanto a sociedade está necessitando”, pontuou o secretário.
 O novo negócio foi adotado por associações de comunidades atendidas pelo Dom Távora localizadas nos municípios de Simão Dias, Poço Verde, Neópolis, Tobias Barreto e Canhoba. A artesã e costureira Aline Mendonça, moradora do povoado Apertado de Pedras, em Simão Dias, cumpre as recomendações sanitárias de isolamento social e continua a produzir artigos de sua residência. Ela dá uma demonstração de que ficar em casa não significa ficar ociosa. “Como sou costureira, aproveito o tempo que tenho para produzir produtos lindos para uso doméstico, como toalhas e jogos de cozinha, e ainda confecciono as máscaras de tecido para proteção e combate ao coronavírus, e as vendo na internet”, contou Aline.
 “São máscaras feitas com muita qualidade. Entregamos o material em sacolas plásticas vedadas e distribuídas de forma individual. Cada máscara mede 21 x 12 centímetros, feita com tecido de algodão, em dupla camada. Todas são esterilizadas através de lavagem e processo de alta temperatura com ferro de passar”, detalhou Kelly de Melo Santos, presidente da Associação de Bordadeiras e Moradoras da Nova Brasília, em Tobias Barreto. Ela acrescentou que cada unidade custa R$6,00 e, a depender da quantidade, pode fazer desconto.
 Os interessados em encomendar máscaras de tecido podem procurar as associações localizadas no município mais próximo, nos seguintes contatos:
Fábio Néri – comunidade Rua do Fogo, Simão Dias (79 99920-7352);
Geovane -Pov.Tanque Novo, Poço Verde (79 99633-8821);
Alessandra – comunidade Formiguinha, Neópolis (79 98818-6085);
Josevania – Povoado Brasília, Tobias Barreto (79 99844-6777);
Geane – Pov. São José, Poço Verde (75-99872-8269);
Xifronese – Quilombo Caraíbas, Canhoba (79 99657-7203);
Claudia – Pov. Apertado de Pedras, Simão Dias (79 9915-7208).


Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem
Portal Sergipano