O recente pico nos preços de alimentos básicos vem sobrecarregando o orçamento de famílias brasileiras, que estão tendo de arcar com um aumento significativo de itens como o arroz, que já acumula alta de 20% no ano, sendo vendido em alguns lugares a 40 reais. Esse cenário soa familiar num país traumatizado por anos de hiperinflação, mas não é uma exclusividade do Brasil.

 Os preços dos cereais, que inclui o grão, estão acima do índice geral de preços desde março, quando a pandemia começou, segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês). Entre os principais cereais, cevada, milho e arroz foram os que mais subiram, diz a organização.

 Enquanto o índice geral de preços chegou a 96,1 pontos em agosto (1,8 ponto acima do nível de julho e 2,1 acima do registrado há um ano), o índice de preços dos cereais bateu em 98,7, 1,8 ponto acima do mês anterior e 6,5 pontos ante um ano atrás. Em contraste, os valores de carnes e laticínios se mantiveram estáveis ​​próximos aos níveis de julho.

 No caso dos preços internacionais do arroz, a ONU justifica a alta pela disponibilidade restrita do alimento nesta época do ano somada ao aumento da demanda africana. Nos mercados de trigo, os preços de exportação aumentaram, embora com menos força, em razão das perspectivas de menor produção na Europa e do aumento no interesse de compra.

 Já no caso da cevada, os preços ganharam força, aumentando 3,2% de junho para agosto, refletindo um ritmo mais rápido nas exportações da Argentina para a China, segundo a ONU. As preocupações com as perspectivas de produção nos Estados Unidos após os recentes danos às safras em Iowa elevaram os preços do milho em mais 2,2% em agosto.

 

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem
Portal Sergipano